Uma das prioridades biológicas da vaca é manter sua temperatura corporal. Quando a temperatura ambiente se altera drasticamente, a vaca perde a capacidade de manter a temperatura corporal ideal, entrando em estado de estresse térmico que, por sua vez, leva à queda na produção de leite e no desempenho geral, podendo, em casos extremos, levar até à morte.
A temperatura e a umidade elevadas afetam negativamente a ingestão de alimentos, levando à diminuição da produção de leite. Observou-se que o estresse térmico pode criar um ônus econômico significativo para a indústria de laticínios, na ordem de US$ 900 milhões por ano. Além disso, durante o estresse térmico, o declínio na produção de leite é um fenômeno comum, com pesquisas mostrando redução de entre 30-40%.
O estresse térmico é uma das principais preocupações que afetam o potencial de produção de gado, podendo levar à redução da ingestão de matéria seca, produtividade, aumento da temperatura retal, aumento da taxa de respiração e respiração ofegante para manter a temperatura corporal.
A diminuição da ingestão de matéria seca e alterações nas atividades fisiológicas podem afetar adversamente a produção de leite. A temperatura corporal central elevada reduzirá a produção de leite, as porcentagens de proteína, gordura, sólidos e lactose do leite.
A umidade ambiental também afeta o estresse térmico. Dessa forma, para cada aumento unitário do Índice Umidade Temperatura (THI) acima de 72, pesquisas mostram uma redução na produção de leite de 0,2 quilos na produção de leite. Além disso, para cada 1° C na temperatura do ar acima da zona termoneutra, ou seja, temperatura em que as vacas não estão sofrendo por excesso de calor ou de frio, ocorre uma redução de 0,85 kg na ingestão de alimentos, o que causa um declínio de ~ 36% na produção de leite.
Além disso, o estresse térmico pode levar a uma temperatura mais alta do úbere, o que pode propiciar o surgimento de mastite. O estresse térmico também pode causar imunossupressão, inibindo a ruminação, levando a mais chances de ocorrência de doença nas vacas. Pesquisas mostram que, durante condições severas de estresse térmico, a glândula mamária utiliza um mecanismo de feedback regulatório negativo para reduzir a produção de leite.
O estresse térmico também pode compensar o progresso genético alcançado no aumento da produção de leite. O avanço genético na produção de leite está ligado ao consumo de ração. Vacas de alto rendimento são mais suscetíveis ao estresse térmico do que vacas de baixo rendimento, pois o consumo de ração e a produção de leite aumentam as mudanças da zona termoneutra para uma temperatura mais baixa. Portanto, a vaca com estresse térmico ativa seu processo físico e bioquímico para combater o estresse e manter o equilíbrio térmico. Os regulamentos feitos pelas vacas incluem dissipação de calor no meio ambiente e produção reduzida de calor metabólico.
Nas fazendas que não resfriam as vacas, o estresse térmico pode causar um declínio de 40 a 50% na produção de leite, enquanto nas fazendas que utilizam algum sistema de resfriamento, a produção de leite pode subir de 10 a 15%.
A figura abaixo descreve o impacto do estresse térmico na produção de leite em bovinos leiteiros.
A maioria das espécies de animais apresenta bom desempenho na faixa de temperatura de 10 a 30° C. Além desse limite, a vaca tende a reduzir a produção de leite e a ingestão de alimentos. Temperaturas acima de 35° C podem ativar o estresse térmico em bovinos, reduzindo diretamente a ingestão de alimentos, criando um balanço energético negativo que afeta a produção de leite. O estresse térmico pode causar perda de rendimento de até 600 ou 900 kg de leite por vaca por lactação.
Estudos mostram que apenas 35% da redução na produção de leite se deve à diminuição da ingestão de ração, e 65% da redução se deve ao efeito fisiológico direto do estresse térmico. Diminuição da absorção de nutrientes, alteração da função ruminal e desequilíbrio hormonal são outros fatores que contribuem para a redução da produção de leite durante o estresse térmico.
⇒ Quer aprender mais sobre estresse térmico? Acesse o conteúdo completo do curso Manejo do estresse térmico para aumento da lucratividade da fazenda, onde o maior especialista nesse tema, o professor da Hebrew University of Jerusalem, Israel Flamenbaum, esclarecerá todas as suas dúvidas! Adquira agora mesmo o curso ou aproveite e assine a plataforma EducaPoint, tendo acesso a esse e mais outras centenas de cursos por um preço único. Saiba como.
Saúde do úbere
O estresse térmico pode causar efeitos adversos no úbere, reduzindo assim a produção de leite. As vacas são mais propensas à mastite durante o verão. O estresse térmico durante o período seco pode afetar adversamente o desenvolvimento das glândulas mamárias, levando à alteração da produção subsequente de leite.
O estresse térmico durante o período seco pode desencadear a involução da glândula mamária acompanhada de apoptose e autofagia, diminuição da quantidade de células epiteliais mamárias que podem causar declínio na produção de leite. O estresse térmico pode enfraquecer o sistema imunológico do gado, o que acabará por facilitar o surgimento de mastite. A involução regenerativa da glândula mamária, essencial para a proliferação celular ideal, será comprometida por alterações na atividade autofágica induzida pelo estresse térmico.
Além disso, o estresse térmico pode inibir o fluxo de glicose para as glândulas mamárias. Verificou-se que o estresse térmico influencia as flutuações do metabolismo oxidativo da glicose e, assim, controla o número de células secretoras e o nível de atividades secretoras e a integridade do epitélio secretor do úbere.
Impacto do estresse térmico nos hormônios que controlam a produção de leite
Vários hormônios contribuem para a produção de leite no gado. O estresse térmico pode criar um desequilíbrio total no sistema endócrino de bovinos. O estresse térmico pode causar alterações nos perfis hormonais como prolactina, hormônios tireoidianos, glicocorticóide, hormônio do crescimento, hormônio adrenocorticotrópico (ACTH), ocitocina, estrogênio e progesterona.
A prolactina é um hormônio essencial para a lactogênese e a mamogênese em bovinos. Qualquer alteração na concentração de prolactina durante o período seco pode ter impacto negativo na lactação subsequente. Alterações na secreção de prolactina durante o estresse térmico foram correlacionadas com alterações da temperatura corporal com aumento da temperatura retal, reduzindo a concentração de prolactina.
Observou-se que a concentração plasmática de prolactina aumentou durante a condição de estresse térmico. Acredita-se que o aumento da prolactina esteja envolvido no atendimento às demandas crescentes de água e eletrólitos do gado afetado pelo estresse térmico. Foi observado um aumento de três vezes no nível de prolactina para um aumento da temperatura do ar de 18-32°C.
Verificou-se que o aumento da concentração de cortisol em bovinos leiteiros em condições de estresse térmico está associado à redução da produção de leite. Isso pode ser atribuído ao fato de o desvio de energia disponível para lidar com mecanismos para enfrentar os desafios do estresse térmico.
Além disso, o estresse térmico também pode diminuir a secreção de estradiol e hormônio luteinizante. Uma menor concentração de estradiol no líquido folicular dos folículos dominantes foi estimada durante o verão. O estradiol é o hormônio responsável pela expressão do estro. Em um estudo realizado na Flórida, cerca de 76-82% de eventos de estro não detectados são registrados durante os meses de verão, acima da média de 44-65% de outubro a maio.
A redução da concentração de estradiol pode levar à redução na produção de leite por meio da redução da eficiência reprodutiva em bovinos leiteiros. O estresse térmico também pode aumentar a secreção de progesterona quando as vacas leiteiras são expostas a 41°C. O aumento da concentração de progesterona também foi associado à redução da produção de leite em bovinos leiteiros.
Verificou-se que os níveis plasmáticos de tiroxina (T4) e triiodotironina (T3) caem durante o estresse térmico em até 25%. A concentração reduzida de hormônio tireoidiano no plasma pode levar à produção reduzida de leite, causando a ingestão reduzida de alimentos. A ingestão reduzida de ração pode levar a um balanço energético negativo, tornando o nível de energia insuficiente para a síntese normal de leite.
Além disso, também foi observado um declínio no hormônio do crescimento (GH) para valores de THI acima de 70 em bovinos leiteiros. Esse declínio no GH foi atribuído à produção hormonal suprimida para combater o calor metabólico em vacas leiteiras. Observou-se que o estresse térmico a longo prazo pode diminuir os níveis circulantes do hormônio do crescimento, reduzindo a produção de leite, causando balanço energético negativo.
Portanto, fica claro que o estresse térmico é considerado o principal fator de redução da produção de leite em vacas leiteiras, que culmina em severas perdas econômicas para os pecuaristas de todo o mundo.
Fonte: Milk Point